Ponto de encontro da turma da noite de antropologia, do ISCTE, 2001-2005
Quarta-feira, 26 de Outubro de 2005
Antropologia Visual ao rubro
Durante a semana passada passou pela culturgest o festival DocLisboa2005.
Documentários de todo o mundo, por todo o mundo, para famílias e antropólogos.

O vencedor do concurso internacional (contra a minha preferência) foi:


Before the Flood
de Yan Yu e Li Yifan
143’ China 2005
"A barragem das Três Gargantas na China, a maior jamais construída no mundo, deverá estar terminada em 2009. Até lá, milhões de pessoas terão que ser realojadas pois centenas de localidades e grandes áreas de terreno ficarão submersas – tal como inúmeros monumentos naturais e locais historicamente importantes. Entre estes encontra-se Fengjie, cidade que ganhou fama por aí ter nascido Li Bai, um dos mais importantes poetas da história da China. Yan Mo documenta o processo de realojamento dos habitantes Fengjie em 2002, antes da primeira fase de enchimento da barragem ter lugar – uma mudança que afectou profundamente as vidas de muitas pessoas, causando-lhes perturbação e perdas." (JC)


publicado por antmarte às 10:27
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Sexta-feira, 21 de Outubro de 2005
Exercício: Histórias de família ou "onde está o Wally"
Pois bem, o tempo passa e urge exercitarmos os nossos conhecimentos, para nos mantermos em boa forma intelectual. Por isso hoje proponho um pequeno exercício/jogo em torno das histórias de família, que nos habituámos a fazer ao longo do curso.
Infelizmente não posso transpor para aqui o diagrama da família que vos quero apresentar, mas fica o desafio para que vocês mesmos o esbocem, com os dados que vos deixarei. São dados recolhidos por aí, na net, pelo que não me responsabilizo pela sua fiabilidade. No entanto, aqui vo-los deixo, para quem quiser entreter-se com este pequeno passatempo. Ah, e entretanto, se encontrarem pelo meio alguém nosso conhecido, talvez não seja mera coincidência...

MANUEL JOAQUIM PINHEIRO CHAGAS foi um vulto da segunda metade do Século XIX em Portugal. Viveu entre 1842 e 1895 e na Enciclopédia Universal encontrei este breve sumário bio-bibliográfico:
“Político, militar e escritor, efectuou os seus estudos na Escola do Exército e na Escola Politécnica. No seu percurso militar, alcançou o posto de capitão; foi ainda deputado, ministro da marinha e do ultramar e presidente da Junta do Crédito Público.
Professor do Curso Superior de Letras, gozou de grande prestígio como escritor, conjugando a sua actividade literária com os seus ideais políticos. Poeta, dramaturgo, ensaísta e romancista, esteve envolvido na eclosão da Questão Coimbrã, influenciado por António Feliciano de Castilho, que prefaciou a sua única obra de poesia, Poema da Mocidade (1865). De dotes oratórios superiores aos da escrita, a sua obra foi um exercício de transigência ao gosto da época, afirmando-se como um dos sustentáculos intelectuais da posição governamental.
As suas obras oscilavam entre um estilo rigoroso e uma atmosfera de afectação. Entre os seus volumes de ficção contam-se Tristezas à Beira-Mar (1866), O Terramoto de Lisboa (1874), A Mantilha de Beatriz (1878) e A Jóia do Vice-Rei (1890). Do seu trabalho ensaístico destacam-se Ensaios Críticos (1866) e Novos Ensaios Críticos (1867), sendo de salientar também, a nível historiográfico, a História de Portugal (8 volumes, 1869-1874). Como dramaturgo escreveu A Morgadinha de Valflor (1869).”
PINHEIRO CHAGAS casou com MARIA DA PIEDADE MATERNIDADE DA SILVA, com quem teve seis filhos: Raul Pinheiro Chagas (n.1864), ALICE PINHEIRO CHAGAS (n.1866), Mário da Silva Pinheiro Chagas (n.1870), Álvaro Pinheiro Chagas (n.1872), Frederico da Silva Pinheiro Chagas (n.1882) e Valentina Pinheiro Chagas (n.1883).
Em 1891 ALICE casou com JORGE VERDE (1861-1941), filho de JOSÉ ANASTÁCIO VERDE e de MARIA DA PIEDADE DAVID DOS SANTOS. Em 1892 nasce o filho de ambos, EDMUNDO PINHEIRO CHAGAS VERDE (m.1965), que em 1929 desposa MARIA JOSÉ ROLIN GIRALDES BARBA (1908-1976) (dispensa-se a apresentação da sua família para não estender muito isto e porque talvez não seja essencial ao nosso argumento – sim, porque há aqui um argumento escondido, já devem ter reparado...).
EDMUNDO E MARIA JOSÉ terão quatro filhos: JORGE GIRALDES BARBA PINHEIRO CHAGAS VERDE (n.1930), Maria Leonor Giraldes Barba Pinheiro Chagas Verde (n.1932), Maria Inês Chagas Verde (n.1944) e Maria Teresa Pinheiro Chagas Verde (n.1945).
O mais velho destes quatro irmãos, JORGE, casar-se-á por duas vezes. Do seu primeiro casamento, com Maria Júlia Ferreira da Silva, teve dois filhos, Teresa Pinheiro Chagas Verde (n.1955) e Luís Manuel Pinheiro Chagas Verde (n.1957). Do segundo casamento, com MARIA FELICIDADE BENEDITO, nascerá JOSÉ FILIPE (n.1961).

Esta história de família poderia ser mais aprofundada. Parece-me uma história interessante, como, de um modo ou de outro, o poderão ser todas. Deixo-vos para já apenas este esboço, estudá-lo já será talvez um passatempo curioso. E deixo-vos o desafio que no fundo norteou esta minha ideia e que decerto já todos vislumbraram – se há por aqui um “Wally”, quem é e “onde está o Wally”??? (Zé Paulo)


publicado por antmarte às 11:46
link do post | comentar | ver comentários (15) | favorito

Quarta-feira, 19 de Outubro de 2005
O Desejado Reencontro
Caríssimos antropólogos.
Sei que andam desejosos de reencontros imediatos do 1º grau. Pois bem, vão tê-lo.
Tenho andado nas ultimas semanas em negociação com uma organização, a Tagus - Associação para o desenvolvimento integrado do Ribatejo interior, que é uma “entidade de direito privado sem fins lucrativos que tem por objectivo a promoção, apoio e a realização de um aproveitamento mais racional das potencialidades endógenas dos concelhos de Abrantes, Constância e Sardoal...” que faz o favor publicitar as suas iniciativas junto do Ministério das Finanças e da Administração Publica.
Assim, e para o efeito, ainda este mês reuniremos, a AE2 no ISCTE. Deixo para já um cheirinho do que estou a planear, aproveitando uma ideia antiga do Zé Paulo, passar 3 dias (2 noites) num hotel rural em Abrantes, à maneira.
Tem incluído o pequeno almoço e o jantar para os 3 dias, um pacote de actividades, para os 3 dias, “com modalidades desportivas de dificuldade reduzida, nomeadamente BTT, tiro, canoagem, jogos de equipa, percursos pedestres” etc. Tudo isto e estou a falar de qualidade, importa no valor de mais o menos 180 euros.
Programa mais detalhado e com as actividades que desejamos seleccionar devo receber em breve. Penso que, ainda antes do final de Outubro estarei a convocar a turma AE2 para uma reunião no ISCTE para acertar pormenores.
Entretanto e para que todos comecem a reservar o dinheiro do subsidio de Natal e os respectivos dias já contactei metade da turma que esta entusiasmada. O fim-de-semana será a 2, 3 e 4 de Dezembro. Aguardem o meu telefonema. Jorge Ferraz, Chefe Pele de Leopardo ou como diz o Zé “O Tirano”.


publicado por antmarte às 00:17
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Segunda-feira, 17 de Outubro de 2005
Sugestões/desafios
Diverte.gif

Com proveniência devidamente identificada, foi recebida no meu mail uma mensagem com o teor que a seguir apresento. Afinal nem todos se "eclipsaram", continuando alguns a aparecer, com o seu tradicional humor e boas ideias.
Anoto apenas que o nosso blog passa por "jornal", o que não é mau - pior seria se fosse "pasquim"...
Passo a citar: "Não me esqueci da promessa de intervir no jornal (nota do editor - ?!) de monitor da turma (nota do editor - ?!?!). Acontece que, como imaginarás, isto está danado pró trabalho.
No entanto, fica uma sugestão que, se entenderes por bem, podes publicitar:
- Porque não definir um dia do ano (ou do trimestre, mês, etc...) para irmos beber um café ao bar do António? Por exemplo: Todas as primeiras (ou últimas sextas feiras) dos meses pares (ou impares). Quem pudesse e quisesse ia até lá!
Era uma forma de (alguns) nos encontrarmos, actualizando fofocas.
A partir desta ideia, talvez se conseguisse até uma melhor; o que achas?
Um abraço."
(Zé Paulo)


publicado por antmarte às 11:28
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito

Domingo, 16 de Outubro de 2005
VIVA O ARCO-ÍRIS
Depois de, um dia destes, ter emitido a minha opinião politica, sublime e alaranjada, todavia, indigesta para alguns é altura de chamar à liça o arco-íris e mudar para a cor da moda. Se a memória me não atraiçoa terá sido no século XVII que Isaac Newton descobriu que a luz branca do sol é composta de luzes de todas as cores visíveis. O que o prisma faz, ou outro dispositivo da chamada rede de difracção, é simplesmente, separar essas componentes da luz branca. Hoje sabemos que essas componentes têm comprimentos de onda que vão desde 4000 angstroms – violeta – até 7500 angstroms do vermelho.
Pois é hoje o arco-íris foi portador de demasiados angstroms. Porto 0 Benfica 2
Espero que esta admiração pelo vermelho não seja pretexto para cruzadas Estalinistas.
Repito Porto 0 Benfica 2 e viva o BENFICA.


publicado por antmarte às 00:46
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Sexta-feira, 14 de Outubro de 2005
Irredutíveis para sempre (como nós)
9789724144184.jpg

Ao que chega a crise... nem o irredutível gaulês escapa ao que de pior pensava que lhe poderia acontecer... (à venda desde hoje) (Zé Paulo)


publicado por antmarte às 09:59
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Terça-feira, 11 de Outubro de 2005
“Visitas de estudo” (?!)
O MUNDO À MÃO DE UM CLIQUE
Até ao próximo dia 23 estará patente no CCB a famosa World Press Photo. Brilhante exposição de fotojornalismo, documento premente do mundo actual, fotografia ao seu melhor nível, são muitos os motivos que justificam a visita.
O antropólogo pode talvez aproveitar para se questionar como conseguem tão facilmente estes homens aquilo que ele desde sempre ambiciona sem alcançar... ter o mundo na mão por um simples clique...

SANTARÉM – PATRIMÓNIO E GASTRONOMIA
Santarém “capital do gótico”? Santarém “património da humanidade”? Questões interessantes à reflexão do antropólogo, sobre os patrimónios e identidades, elas desafiam a nossa visita à cidade. E o convite torna-se ainda mais “apetitoso” se atendermos a que por estes dias aí decorre também o Festival Nacional de Gastronomia (até 06/11).
Há já algum tempo que estou desligado de Santarém, em termos profissionais, felizmente. Contudo, a cidade não deixa nunca de me fascinar. E por isso sou sempre aliciado pela ideia de um regresso, seja para rever o seu património, para ir à Gastronomia, ou aproveitando esses pretextos para juntar um grupo de amigos e fazermos um convívio “à maneira”... alguém quer vir? (Zé Paulo)


publicado por antmarte às 16:53
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Segunda-feira, 10 de Outubro de 2005
E a Democracia Funcionou
Brevemente voltarei a este assunto. De momento a minha congratulação pelos resultados eleitorais. Ganhou o povo.
Foi o fim da arrogância, o fim dos patriarcas, dos crispados donos da democracia. Foi definitivamente o fim dos parasitas, dos sociais fascistas encapotados. Nem tudo foi brilhante, em Felgueiras, Oeiras e Gondomar o crime ainda compensa.
É evidente que a factura vamos agora pagá-la. O orçamento de 2006 vai mostrar que o cinto ainda pode ser mais apertado mas enfim, pelo menos durante esta noite que se respire um pouco de liberdade. Nesta época de eclipses, este, como o outro, não foi total. Talvez tenha servido de aviso e o eclipse total apareça um dia destes, talvez lá para Janeiro.
Beijinho e abraços
jferraz


publicado por antmarte às 02:30
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito

Sexta-feira, 7 de Outubro de 2005
Outros eclipses
Para a apresentação deste blog escolheu-se um pôr do sol, porque pareceu talvez representar bem a hora do ocaso do nosso curso, mas também porque se entendia que “quando o sol se põe num lugar do mundo é um novo dia num qualquer outro”. Ou seja, preconizava-se a ideia de um recomeço permanente, nomeadamente o do convívio da malta da turma, agora já não nos corredores do ISCTE, mas “nas voláteis ondas da net”.
A verdade é que anda muita gente “eclipsada” por estas bandas, dos aderentes da primeira hora àqueles que nunca apareceram sequer…
Um dia destes um colega queixava-se que eu agora só apareço “virtualmente”. Longe de mim a ideia de ficar submerso nas navegações da net. Apenas a acho um meio acessível e interessante para manter o contacto. Mas para isso é naturalmente necessário que haja contacto…
Assim, anda mesmo alguém por aí, ainda, algum marciano que resista, ou por aqui o eclipse foi total?! (Zé Paulo)

P.S. – Tenho notícias que algumas “falhas técnicas” podem por vezes impedir ou dificultar o aparecimento da malta (ainda ontem uma candidata autárquica que queria fazer campanha não conseguiu publicar a sua propaganda...). Que esses obstáculos não sejam motivo de desistência – continuem a insistir e vão aprecendo, sempre que possam e queiram...


publicado por antmarte às 11:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quinta-feira, 6 de Outubro de 2005
O dia em que o sol se escondeu
Um eclipse solar é ainda hoje um fenómeno que entusiasma multidões. Novos e velhos, cientistas ou meros curiosos, são muitos os que em ocasiões como a de há dias fixam os olhos no céu para desfrutar desse acontecimento de excepção.
A ciência já conhece e prevê o fenómeno, os homens já não o interpretam como algo de sobrenatural, e no entanto uma aura de magia não deixa de o rodear. Observador entre os observadores, o antropólogo encanta-se com o eclipse, ao imaginar quantos outros homens, noutros tempos ou lugares, experimentaram sentimentos, crenças ou ideias tão diversas, ao verem este mesmo belíssimo fenómeno.
A ocorrência de um eclipse pode ser uma oportunidade para se reflectir a diversidade da imaginação humana, pode permitir que se discorra sobre as mais variadas crenças, racionais ou não, ou o que sejam. Ou pode ser apenas uma oportunidade do homem compreender a sua condição, de um ser limitado e pequeno perante a grandeza e o excesso do universo, mas um ser privilegiado por poder olhá-lo e conferir-lhe um sentido...
"À escala do cosmos, a espécie humana, surgida por um acaso infinitesimal, durará um breve momento. E dentro dele, cada um de nós não chega quase a existir. E no entanto, é por esse instante de impensável brevidade de duração, que é nosso dever mobilizar todo o esforço de uma intensa atenção para que o melhor do universo se não destrua. Porque nesse mínimo está o máximo concebível da grandeza e do milagre. A vida. Tão pouco e tão tanto. (...) Mas que se não esqueça, que para cada um de nós o universo não existiria, se cada um de nós não existisse. Assim, a existência desse incomensurável universo depende da existência de quem, como disse, mal chega a existir” (Vergílio Ferreira, “Espaço do Invisível 5”) (Zé Paulo)


publicado por antmarte às 09:59
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Julho 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
21
22

23
24
26
27
28
29

30
31


posts recentes

Fora de órbita

Pensar o mundo ou transfo...

Não só uns chutos na bola

Da (falta de) educação

“Destak”

“Ou há justiça ou comem t...

Do Mundial ou 2ª época de...

Um livro, um amigo

Rectificação

Dia Mundial da Criança

arquivos

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds