Ponto de encontro da turma da noite de antropologia, do ISCTE, 2001-2005
Quarta-feira, 27 de Julho de 2005
Um debate inevitável
Por estes dias em que ainda festejamos o fim do curso (mais coisa, menos coisa...), divulgam-se resultados de estudos sobre o estado da educação. Resultados habituais – Portugal na “cauda” da Europa.

Os amigos desculpem-me, mas aqui ou noutro qualquer lugar há uma questão que temos necessariamente de pensar e debater: sabendo-se como estamos, há que saber o que queremos. Afinal somos um país com dr’s a mais, com um número inconcebível de licenciados desempregados (não contando os “subaproveitados”, não é?), ou temos de facto poucos licenciados, havendo que investir mais aí? E aos cursos não “profissionalizantes” (chamemos-lhes assim, por eufemismo), que fazer?

É verdade que muitos de nós tirámos o curso por mero entretenimento, ou em busca de uma melhoria profissional que podemos mais ou menos calcular, pelo que estas questões podem parecer distantes. Mas como sujeitos integrantes do sistema de ensino, ou apenas como cidadãos, esta é uma questão a que não podemos fugir, no meu modesto entender. (Zé Paulo)


publicado por antmarte às 15:00
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Julho 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
21
22

23
24
26
27
28
29

30
31


posts recentes

Fora de órbita

Pensar o mundo ou transfo...

Não só uns chutos na bola

Da (falta de) educação

“Destak”

“Ou há justiça ou comem t...

Do Mundial ou 2ª época de...

Um livro, um amigo

Rectificação

Dia Mundial da Criança

arquivos

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds