Ponto de encontro da turma da noite de antropologia, do ISCTE, 2001-2005
Sexta-feira, 18 de Novembro de 2005
“Portanto... eh... é fazer as contas”
Números das notícias de ontem: 430 mil desempregados, destes 60 mil desempregados. Se nos dermos ao trabalho de fazer as contas, são mais de 7.5% de desempregados e destes cerca 14% licenciados... números significativos, que têm vindo sempre a crescer.
O que parece não estar a crescer é a economia, que voltará a ficar aquém do esperado e uma vez mais abaixo dos nossos parceiros europeus.
Ora, não é preciso saber de economia para compreender que crescimento e emprego são “parceiros” e que um não andará sem o outro. Equilíbrios instáveis que parecemos insistir em não saber alcançar.
Na minha humilde opinião, o que me quer parecer é que esta realidade socioeconómica não é muito compatível com a presença dos socialistas no poder e uma maioria de esquerda na Assembleia. Dir-me-ão que os tempos são difíceis, que o governo está ainda a começar e até que agora vai haver aquela coisa dos 300€ para os idosos. Pois sim. Mas francamente não me convenço.
Bem pode o dr. Soares querer agora tirar o socialismo da gaveta e andar por aí a “pregar no deserto”. Ou os outros a marcarem o seu lugar. Mas sábio é o senhor Professor, que sabe que “o silêncio é de ouro”. No fundo, falar para quê, se já todos parecem ter aprendido tão bem a sua lição, que mais não é do que o discurso monocórdico que vai imperando mundo fora? (Zé Paulo)


publicado por antmarte às 16:44
link do post | comentar | favorito
|

3 comentários:
De Anónimo a 21 de Novembro de 2005 às 11:24
Novamente por partes: 1º: Raposo, não vou prolongar aqui e agora a discussão sobre economia e política, ficará para melhor ocasião, que decerto haverá. Mas longe de mim "massacrar o Socras", registo apenas "sinais" que recolho do que vejo passar-se à nossa volta. 2º: Zé Carlos, não nos vemos há muito, não falamos há muito, mas imaginas-me a fazer a defesa do Cavaco?! Achas mesmo possível?! Talvez não me tenha expressado bem, agora isso... posso também não saber muito bem por onde vou, nas preseidenciais, mas "sei que não vou por aí"!!!Zé Paulo
</a>
(mailto:ilus@clix.pt)


De Anónimo a 18 de Novembro de 2005 às 19:07
E esta hem. O nosso Zé Paulo a fazer a apologia do Cavaco. Dá porrada na esquerda por não ser operante, e depois diz-nos que o silêncio da esfinge é de ouro, que quer dizer "viva Cavaco", o professor pode-nos salvar desta tormenta, ou é só esperanças. Por mim que estou muito longe, ideológicamente, de Sócrates, acho não está nada mal, tem certas virtudes, como por exemplo, acabar com certos previlégios dos "xulecos sociais", juízes, professores, funcionários públicos, etc. Talvez seja um passo atrás dois em frente. Abraços. das Neves
das Neves
</a>
(mailto:josecneves@netvisao.pt)


De Anónimo a 18 de Novembro de 2005 às 18:03
Bem, o meu amigo hoje foi violentamente atingido na sua honra por este executivo... e está a tirar o dia para massacrar o Socras...
Embora não tenha dificuldade (como se nota no comentário mais lá abaixo) em concordar com o meu amigo, essa questão de emprego e economia serem parceiros pode não ser bem assim. A situação actual da economia arrasta muita gente para o desemprego mas se a economia estivesse a crescer não era igualmente possivel que o desemprego aumentasse devido ao tipo de desenvolvimento economico que houvesse. É até bastante interessante perceber que o melhor que nos poderia acontecer era termos um crescimento estrutural da economia que permitisse uma consolidação de novos processos, novas formações, novas capacidades, novos produtos e novos mercados, que a prazo nos permitisse atingir uma situação de pleno emprego em que falsamente já nos encontrámos no passado.José Raposo
(http://joseraposo.blogspot.com)
(mailto:jose_raposo@netcabo.pt)


Comentar post