Ponto de encontro da turma da noite de antropologia, do ISCTE, 2001-2005
Segunda-feira, 13 de Fevereiro de 2006
E que tal um preservativo no nariz da ministra?!
Não por qualquer “ódio de estimação”, mas pelas suas políticas, ora guiadas pela obsessão do défice, ora por uma mentalidade... enfim, sei lá...

Passam hoje catorze anos sobre a primeira eleição de um grupo de jovens idealistas para a associação de estudantes de uma escola dos subúrbios. Por essa altura pretenderam distribuir preservativos gratuitamente na escola, durante a sua campanha eleitoral. Aos olhos de hoje vejo a reacção do conselho directivo de então como um acto de pedagogia, liberal e progressista. Aceitou a acção de campanha, apenas condicionando a distribuição dos preservativos à distribuição, em simultâneo, de quaisquer mensagens educativas sobre a sexualidade.
Parece que se prepara agora nova legislação sobre a distribuição gratuita de preservativos nas escolas. E parece que o ministério teve a ideia peregrina de condicionar a entrega dos preservativos aos jovens à aceitação por parte dos pais, a atestar em declaração escrita...
Como se não houvesse já distribuição de preservativos nos centros de saúde (mas sempre é mais difícil o acesso, não é?). Como se uma qualquer marca não pudesse, numa acção de publicidade, dar preservativos à porta de uma escola. Como se em tantas outras partes dessa Europa que procuramos seguir não houvesse já a (sensata) distribuição de preservativos nas escolas, decerto enquadrada em políticas de educação para a sexualidade. Como se a sexualidade continuasse a ser um tabu e não uma dimensão natural da humanidade, compreensivelmente avivada no seu despertar adolescente. Como se as doenças sexualmente transmissíveis e as gravidezes precoces não existissem...
Estará a senhora ministra mesmo convencida que, no estado em que a questão da sexualidade juvenil está ainda hoje na nossa sociedade, essa medida terá algum efeito? As famílias não falam da sexualidade. Pode ser que o pedido do preservativo seja uma abordagem mais indirecta e eficaz, não sei se estão a ver: “-Ó pai, assina-me aqui esta autorização! Não é por nada, é só para enchermos uns preservativos lá na escola e andarmos a brincar aos balões!”
Estou certo que há por aí muitos jovens irreverentes e criativos, como os de há catorze anos atrás. Pode ser que alguns se lembrem de propor uma alteração à nova lei. E de sugerir que, em vez de autorizarem a distribuição dos preservativos, os papás passem uma declaração a autorizá-los mesmo a darem uma “queca”!!! (Zé Paulo)


publicado por antmarte às 14:18
link do post | comentar | favorito
|

3 comentários:
De Anónimo a 13 de Fevereiro de 2006 às 19:58
Isto de se querer comer rebuçados com o invólcro não lembra ao Diabo. Apenas ao Zé que pelos vistos é inexperiente. Quer mete-lo no nariz de alguem. Não há pachorra. jf
Jorge Ferraz
</a>
(mailto:jferraz@iol.pt)


De Anónimo a 13 de Fevereiro de 2006 às 16:39
Muito obrigada Zé Paulo, por mais uma vez partilhares connosco as tuas ideias sempre tão bem explanadas. assim sim, até dá gosto voltar a este blog. Parabéns
Não, ainda não me é possivel um debate de ideias com o "Sr Mário Soares", e espero que isso seja compreensivel para todos. Aliás não pretendo ocupar o blog, "com debates". Até por uma questão de ética e cidadania. Se criarem um espaço "canal" aí talvez as coisas mudem de figura. bonecarussabonecarussa
</a>
(mailto:bonecarussa@hotmail.com)


De Anónimo a 13 de Fevereiro de 2006 às 16:12
É inadmissivel que tu insistas em não nos recordares destas datas pessoalmente, especialmente quando estivemos juntos no fim de semana... a malta já não tem tanta massa cinzenta como à 14 anos....:) passado isso, a questão dos preservativos que muito bem recordas é, hoje em dia, uma espécie de derrapagem que todos os governos pretende perpetuar... a população em geral e os jovens em particular aprenderão o que tiverem a aprender e farão os disparates todos que tiverem de fazer, próprios de uma certa ideia de idade... e quando derraparem de forma valente vêm os senhores ministros para a lição de moral juntos com os pais... parece-me bem.joseraposo
</a>
(mailto:jose_raposo@netcabo.pt)


Comentar post